"Como a justiça ficou ágil no meu caso", ironiza Eccel

O ex-prefeito de Brusque, Paulo Eccel (PT), disse achar estranhoa a agilidade com que um recurso impetrado para analisar decisão da justiça local foi tratado no Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC). No final do mês passado, o TJSC manteve decisão de 2012 da justiça de Brusque que o condenou, junto com outros dois servidores da época de seu governo, por realizar obra em um espaço privado, tornando-o, momentaneamente, inelegível por cinco anos.

Eccel fez a declaração em entrevista ao programa Rádio Revista Cidade, da Rádio Cidade.  “Houve um recurso este ano, no mês de março, e, inexplicavelmente, três meses e dois dias depois o recurso é julgado”, disse.

Ele frisou que os tramites de ações que partem para a segunda instancia costuma ser demorados. No caso do recurso que envolve sua condenação, isso ocorreu de maneira rápida em sua visão.

“As pessoas sabem c9omo a justiça se movimenta. Todo mundo sabe que quando um recurso para o tribunal, dificilmente ela volta em menos de um ano. Dois anos, três anos é o tempo médio de julgamento de um recurso. O meu recurso demorou três meses e dois dias. Isso levantou bastante suspeita. Como a justiça ficou ágil, andou, no meu caso”, pontuou.

Segundo Eccel, a defesa já impetrou recursos para tentar derrubar a decisão da turma do TJSC que o tornou inelegível. Tanto que o ex-prefeito mantém o lançamento de sua pré-candidatura a deputado estadual. A tradicional feijoada do PT será realizada no fim de semana próximo e terá esse objetivo.

O caso que envolve a condenação de Eccel e dos ex-servidores diz respeito ao ano de 2012, quando ele teria autorizado obra de terraplanagem por parte da Prefeitura em um terreno particular que funcionava como pista de aeromodelismo.

Dê sua opinião, antes leia os Termos de Uso
Dúvidas ou Sugestões